Adalgisa Nery

Vivência

Começamos a viver Quando saímos do sono da existência, Quando as distâncias se alongam nas partículas do corpo. Começamos a viver Quando confusos e sem consolo Não sentimos os traços do irmão perdido. Quando antes da força Surge a sombra do insignificante. Quando o sono é transformado em sonhos superados, Quando o existir não é • Read More »


Ternura

Antes que eu me transforme em água E corra com os rios Cantando para as florestas escuras A canção sublime Deixa-me contemplar tua face amada Para que a canção se eternize. Antes que os meus olhos se transformem nos minúsculos vermes Que movimentam o solo Deixa-me receber a luz de tua boca Para que eu • Read More »


Solidão

O espírito da tempestade que executa a minha palavra Partiu E minha forma assim abandonada Caiu. Vieram depois a aflição e a agonia E cresceram em mim Como a aurora e o dia. E se eu quisesse contar, homens irmãos, Desde quando meu coração está isento de alegria, Acreditem, Não poderia. Há muitos séculos mora • Read More »


Silêncio

Nas mãos inquietas Cansadas esperanças Tateando formas na luz ausente, Nos olhos embrumados A viva cruz do alívio, Na boca imobilizada A palavra amortalhada. E à tona da fugaz realidade O mistério das surpresas superadas. Paisagem de espaços, e fantasmas Ordenam não falar, não morrer, Ouvir sem conduzir o pensamento, Viver os vazios lúcidos Entre • Read More »


Poema simples

Deixa-me recolher as rosas que estão morrendo nos jardins da noite, Deixa-me recolher o fruto antes que este volva as raízes da terra, Deixa-me recolher a estrela úmida Antes que sua luz desapareça na madrugada, Deixa-me recolher a tristeza da alma Antes que a lágrima banhe a pálpebra Do órfão abandonado e faminto, Deixa-me recolher a ternura • Read More »


Poema essencialista

Sinto o conteúdo da existência. Procuro ultrapassá-lo com enorme exaltação poética, Rompo as grades do mundo com o espetáculo das formas, Dos sons e das cores. Tudo me afoga em nostalgia de outras eras, De outras vidas que cristalizaram As tendências da minha infância. A utilização das coisas plásticas Altera o equilíbrio da visão. Distribuo • Read More »


Poema de amor

Ouve-me com teus olhos Porque minha queixa é muda. Acaricia-me com teu pensamento Porque meu corpo está imóvel. Beija-me com tuas mãos Porque minha boca te espera. Fala-me com o silêncio dos momentos de amor Porque os ouvidos da minha vida Se abrirão como as flores Na úmida e infinita madrugada. – Adalgisa Nery, in: • Read More »


Poema da amante

Eu te amo Antes e depois de todos os acontecimentos Na profunda imensidade do vazio E a cada lágrima dos meus pensamentos. Eu te amo Em todos os ventos que cantam, Em todas as sombras que choram, Na extensão infinita do tempo Até a região onde os silêncios moram. Eu te amo Em todas as • Read More »


Paisagem

Restam nos meus olhos Séculos de planícies áridas E o vento ríspido que trouxe as lamentações Das sombras agitadas Sobre os pântanos desconhecidos Distantes estão os caminhos Onde eu encontraria a suprema fraqueza Para vergar os meus joelhos E deitar no pó a minha boca moribunda Invisíveis estão as estrelas Que me levariam a contemplar • Read More »


O país do poeta

A paisagem tem cores do avêsso E as estrelas sobem pelas montanhas como veias Aguando um seio de mulher. As quatro línguas do vento Conversam sobre o amor, o ódio, a vida e a morte. Os arcanjos cruzam o firmamento de lado a lado, Os pássaros soluçam como inconsoláveis viúvas. Os peixes cantam como rouxinóis • Read More »


Nostalgia do impreciso

Ao fechar de olhos para o sono Aromas de pânico e de dores, Aromas de errantes chuvas Transportando montanhas, vales, Atravessando ventos, Pousando em instantes tão diversos, Chamando medos E exílios de vontades. Aromas vasculhando a vida, Engendrando noites no vazio, Escapando de raízes em tumulto, De pedras milenares em silêncio, E de símbolos sem • Read More »


Mulher

Na face, a geografia da angústia, Dos pânicos e das medrosas alegrias. Cada ruga é um presságio. E auréola da aflição constante O esplendor dos cabelos brancos. Uma só raiz para frutos diversos, Uma só vida para destinos tão complexos, Um só pranto para dores tão diversas. O útero que gera o herói, o sábio, • Read More »


Instante

O espanto abriu meu pensamento Com idioma vindo do delírio, Dos receios indefesos, dos louvores sem raízes, No perdão oferecido sem razão. O espanto abriu meu pensamento Na noite carregada de lamentos Em linguagem universal Fluindo do eco perdido Com passos de presságio amanhecendo. Corpos florindo na pele da terra Acendendo vida nas rosas e • Read More »


Fantasmas

Lívidos fantasmas deslizam nas horas perdidas  Chegam à minha alma  E como sombras da noite  Levantam os meus ímpetos mortos  Desatando as ligaduras do tempo.  O luar da madrugada fria cai no meu rosto  E ilumina com branda amargura  O meu espírito que espera a hora insolúvel.  Os caminhos cobrem-se de homens que dormem na • Read More »


Eu em ti

Desejaria estar contigo quando eras no pensamento de Deus, Quando tua mãe te concebeu e te alimentou com sua vida, Desejaria estar contigo na primeira vez que distinguiste as formas, [as cores e os sons, Na tua primeira lágrima eu quisera estar contigo e assim na tua [primeira alegria, Desejaria estar contigo na tua infância • Read More »


Escultura

Eu já te amava pelas fotografias. Pelo teu ar triste e decadente dos vencidos, Pelo teu olhar vago e incerto Como o dos que não pararam no riso e na alegria. Te amava por todos os teus complexos de derrota, Pelo teu jeito contrastando com a glória dos atletas E até pela indecisão dos teus • Read More »


Eterno tédio

Muitas vezes esgotando o meu destino Com o olhar em pranto E o coração pungente como um dobrar de sino, Ouço ruídos seculares que unem como um canto, Crescendo de intensidade, Mergulhando os meus sentidos Na maior profundidade! Muitas vezes, considerando a vida Com desumana indiferença, Por toda a esperança perdida, Pelo abrir de um • Read More »


Pensamentos que reúnem um tema

Estou pensando nos que possuem a paz de não pensar, Na tranqüilidade dos que esqueceram a memória E nos que fortaleceram o espírito com um motivo de odiar. Estou pensando nos que vivem a vida Na previsão do impossível E nos que esperam o céu Quando suas almas habitam exiladas o vale intransponível. Estou pensando • Read More »


Poema natural

Abro os olhos, não vi nada Fecho os olhos, já vi tudo. O meu mundo é muito grande E tudo que penso acontece. Aquela nuvem lá em cima? Eu estou lá, Ela sou eu. Ontem com aquele calor Eu subi, me condensei E, se o calor aumentar, choverá e cairei. Abro os olhos, vejo um • Read More »


Eu te amo !!!

Eu te amo Antes e depois de todos os acontecimentos Na profunda imensidade do vazio E a cada lágrima dos meus pensamentos. Eu te amo Em todos os ventos que cantam, Em todas as sombras que choram, Na extensão infinita do tempo Até a região onde os silêncios moram. Eu te amo Em todas as • Read More »


Mistério

Há vozes dentro da noite que clamam por mim, Há vozes nas fontes que gritam meu nome. Minha alma distende seus ouvidos E minha memória desce aos abismos escuros Procurando quem chama. Há vozes que correm nos ventos clamando por mim. Há vozes debaixo das pedras que gemem meu nome E eu olho para as • Read More »


Repouso

Dá-me tua mão E eu te levarei aos campos musicados pela canção das colheitas Cheguemos antes que os pássaros nos disputem os frutos, Antes que os insetos se alimentem das folhas entreabertas. Dá-me tua mão E eu te levarei a gozar a alegria do solo agradecido, Te darei por leito a terra amiga E repousarei • Read More »


A um homem

Quando numa rocha porosa Cansado te encostares E dela vires surgir a umidade e depois a gota, Pensa, amado meu, com carinho, Que aí esta a minha boca. Se teus olhos ficarem nas praias E vires o mar ensalivando a areia Com alegria pensa amado meu Num corpo feliz Porque é só teu. Se descansares • Read More »


Estigma

Não receio que partas para longe, Que faças por fugir, por te livrares Da força da minha voz E da compreensão do meu olhar. Não temo que os mares te levem No bojo dos transatlânticos Nem tampouco me amedronta Que em possantes aviões No céu e na terra, Em todos os seres me encontrarás Cortes • Read More »


Cemitério Adalgisa

Moram em mim Fundos de mares, estrelas-d′alva, Ilhas, esqueletos de animais, Nuvens que não couberam no céu, Razões mortas, perdões, condenações, Gestos de amparo incompleto, O desejo do meu sexo E a vontade de atingir a perfeição. Adolescências cortadas, velhices demoradas, Os braços de Abel e as pernas de Caim. Sinto que não moro. Sou morada pelas coisas como a terra das sepulturas É habitada pelos corpos. Moram • Read More »


Canção para dentro

A canção do corpo é cantada para dentro E a leveza da alegria se transmuda em peso, A brisa adere aos amargos pensamentos Fluindo no sorriso compassivo. Logo, Surgindo de células desamadas Os matizes áureos anoitecem, Pálpebras levantadas vão caindo E nesgas apenas vislumbramos, Geografias em nós morrendo, Oceanos crescendo, ilhas sumindo, Rosas nascendo na • Read More »


Cantiga de ninar

Repousa. Descansa. Virá um dia um vento Que arrancará a tua balançada alma do teu corpo E jogará a tua balançada alma do tempo. Que levará teus braços para as nuvens distantes E deixará tranqüila tua orelha À borda das águas cantantes. Um vento suave como a caricia de uma doce mão Que se envolverá • Read More »


Abandono

A exaustão faminta Procura elementos ainda vivos no meu ser Talvez guardados em escuros vácuos Que carrego sem saber. Alimenta-se do sopro das imagens Desenhadas pela minha imaginação Pelo tato dos meus sentimentos, Pelo pânico do desconhecido. Aparece como febre constante dilatando as minhas carnes Descoloridas e sem sabor de vida. A exaustão sobe pelos meus pés, Cobre os meus gestos incipientes, Prende a minha língua, Suga o • Read More »


A essência imutável

Entre a estrela e o átomo A matéria viva estabelece o traço original. A fotossíntese realiza a assimilação Da energia solar do homem, Mecanismo-alimento da força biológica Existente no grão de luz que ronda o corpo inanimado Vindo da semente viajante dos ventos programados. Cubos-pedra lançam o elétron De uma órbita a outra dos planetas • Read More »


A rota

O mundo pulveriza-nos sem revelar Seus intuitos secretos. A vida é contemplá-los nos seus gestos mais sutis E sentir nas águas profundas O que de cada destino foi escrito Nos penhascos dos mares agitados. No vácuo do espírito Anda a forma sem direção Por caminhos já pisados E inseguros são os passos repetidos. Nem sempre • Read More »


A razão de eu me gostar

Eu gosto da minha forma no mundoPorque representa uma fagulha,Porque mostra um instante doce e perversoDa ideia, do gesto e da realizaçãoDe Deus no Universo.Eu gosto dos erros que praticoPorque vejo a pureza colocada na minha essênciaDesde o InícioLutar contra todo o mal que em mim existeE ser tão maior, que sobre a minha misériaEla • Read More »


A poesia se esfrega nos seres e nas cousas

Nunca sentiste uma força melodiosaCercando tudo o que teus olhos vêem,um misto de tristeza numa paisagem grandiosaOu um grito de alegria na morte de um ser que queres bem?Nunca sentiste nostalgia na essência das cousas perdidasDeparando com um campo devolutoSemelhante a uma viagem esquecida?Num circo,nunca se apoderou de ti um amargor sutilVendo animais amestrados E logo • Read More »


A paisagem de manhã

Ânsia de paz de noites desertas, Desejo de sentir o tranquilo positivo Nas intenções indevassáveis, Na voz acima de todos os sons, Acima do estrondo universal da bomba fratricida. Ânsia de repouso final No exaspero de mãos unidas pelo medo, Pânicos imprevistos Calando todos os instantes, todas as idades, Chorando o nosso jamais. Olhos outrora • Read More »


Aspiração

Antes que vingue outra esperança Quero as sombras do branco espesso. Antes que mais uma insônia se cumpra Quero o torpor no abismo indecifrável Do espírito amortalhado. Antes que o pensamento acorde E descubra os espaços petrificados, Quero narcotizar-me sem sonhos E deitar-me no mundo sem sombras, Sem palavras nem gestos. Antes que alguma crença • Read More »


Anseio

Quero que desça sobre mim a grande sombra que alivia, Aquela que arranca do meu coração a revolta que me impede de ser mansa. Quero descansar… Quero encontrar aquele que é mais belo que o sol, Que aumenta o meu sofrimento e que ajuda na minha redenção, Que reparte suas angústias comigo para que lhe • Read More »