A rota

O mundo pulveriza-nos sem revelar

Seus intuitos secretos.

A vida é contemplá-los nos seus gestos mais sutis

E sentir nas águas profundas

O que de cada destino foi escrito

Nos penhascos dos mares agitados.

No vácuo do espírito

Anda a forma sem direção

Por caminhos já pisados

E inseguros são os passos repetidos.

Nem sempre o olhar mais aberto

À procura da estrada de nós mesmos

Torna o espírito mais desperto.

Vivemos nos penhascos dos mares agitados.

– Adalgisa Nery, in: Erosão, 1973.


Comments are closed here.