Poema de amor

Ouve-me com teus olhos

Porque minha queixa é muda.

Acaricia-me com teu pensamento

Porque meu corpo está imóvel.

Beija-me com tuas mãos

Porque minha boca te espera.

Fala-me com o silêncio dos momentos de amor

Porque os ouvidos da minha vida

Se abrirão como as flores

Na úmida e infinita madrugada.

– Adalgisa Nery, in: Mundos Oscilantes, 1962.


Comments are closed here.