Natal II

Um menino lerdo

num lençol de embira

mesmo qu’uma fonte

de estimada ira.

um menino lama

num anzol que fira

algum porte e corpo

e alma de safira.

um menino cápsula

de tesoura e crina

– ritual de crisma

sem fé ou parafina.

um menino-corpo

de machado e chão

a arrastar cueiros

de chistes e trovão

– Adão Ventura, em “Jequitinhonha: poemas do Vale”. Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais, 1980.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *