Augusto dos Anjos

Vozes de um túmulo

Morri! E a Terra – a mãe comum – o brilhoDestes meus olhos apagou!… AssimTântalo, aos reais convivas, num festim,Serviu as carnes do seu próprio filho! Por que para este cemitério vim?!Por quê?! Antes da vida o angusto trilhoPalmilhasse, do que este que palmilhoE que me assombra, porque não tem fim! No ardor do sonho • Read More »


Vozes da morte

Agora, sim! Vamos morrer, reunidos,Tamarindo de minha desventura,Tu, com o envelhecimento da nervuraEu, com o envelhecimento dos tecidos! Ah! Esta noite é a noite dos Vencidos!E a podridão, meu velho! E essa futuraUltrafatalidade de ossatura,A que nos acharemos reduzidos! Não morrerão, porém tuas sementes!E assim, para o Futuro, em diferentesFlorestas, vales, selvas, glebas, trilhos, Na • Read More »


Volúpia imortal

Cuidas que o genesíaco prazer,Fome do átomo e eurítmico transporteDe todas as moléculas, aborteNa hora em que a nossa carne apodrecer?! Não! Essa luz radial, em que arde o Ser,Para a perpetuação da Espécie forte,Tragicamente, ainda depois da morte,Dentro dos ossos, continua a arder! Surdos destarte a apóstrofes e brados,Os nossos esqueletos descamados,Em convulsivas contorções • Read More »


Versos íntimos

Vês?! Ninguém assistiu ao formidávelEnterro de tua última quimera.Somente a Ingratidão — esta pantera —Foi tua companheira inseparável! Acostuma-te à lama que te espera!O Homem, que, nesta terra miserável,Mora, entre feras, sente inevitávelNecessidade de também ser fera. Toma um fósforo. Acende teu cigarro!O beijo, amigo, é a véspera do escarro,A mão que afaga é a • Read More »


Vandalismo

Meu coração tem catedrais imensas,Templos de priscas e longínquas datas,Onde um nume de amor, em serenatas,Canta a aleluia virginal das crenças. Na ogiva fúlgida e nas colunatasVertem lustrais irradiações intensas,Cintilações de lâmpadas suspensas,E as ametistas e os florões e as pratas. Como os velhos Templários medievais,Entrei um dia nessas catedraisE nesses templos claros e risonhos… • Read More »


Psicologia de um vencido

Eu, filho do carbono e do amoníaco,Monstro de escuridão e rutilância,Sofro, desde a epigênesis da minha infância,A influência má dos signos do zodíaco. Profundissimamente hipocondríaco,Este ambiente me causa repugnância…Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsiaQue escapa da boca de um cardíaco. Já o verme – este operário das ruínas –Que o sangue podre das • Read More »


Primavera

Arte ingrata! E conquanto, em desalento,A órbita elipsoidal dos olhos lhe arda,Busca exteriorizar o pensamentoQue em suas fronetais células guarda! Tarda-lhe a Idéia! A inspiração lhe tarda!E ei-lo a tremer, rasga o papel, violento,Como o soldado que rasgou a fardaNo desespero do último momento! Tenta chorar, e os olhos sente enxutos!…É como paralítico que, à • Read More »


O martírio do artista

Arte ingrata! E conquanto, em desalento,A órbita elipsoidal dos olhos lhe arda,Busca exteriorizar o pensamentoQue em suas fronetais células guarda! Tarda-lhe a Idéia! A inspiração lhe tarda!E ei-lo a tremer, rasga o papel, violento,Como o soldado que rasgou a fardaNo desespero do último momento! Tenta chorar, e os olhos sente enxutos!…É como paralítico que, à • Read More »


O lupanar

Ah! Por que monstruosíssimo motivoPrenderam para sempre, nesta rede,Dentro do ângulo diedro da parede,A alma do homem polígamo e lascivo?!Este lugar, moços do mundo, vêde:É o grande bebedouro colectivo,Onde os bandalhos, como um gado vivo,Todas as noites, vêm matar a sede!É o afrodístico leito do hetairismo,A antecâmara lúbrica do abismo,Em que é mister que o • Read More »


O Deus verme

Fator universal do transformismo.Filho da teleológica matéria,Na superabundância ou na miséria,Verme – é o seu nome obscuro de batismo. Jamais emprega o acérrimo exorcismoEm sua diária ocupação funérea,E vive em contubérnio com a bactéria,Livre das roupas do antropomorfismo. Almoça a podridão das drupas agras,Janta hidrópicos, rói vísceras magrasE dos defuntos novos incha a mão… Ah! • Read More »


Infeliz

Alma viúva das paixões da vida,Tu que, na estrada da existência em fora,Cantaste e riste, e na existência agoraTriste soluças a ilusão perdida; Oh! Tu, que na grinalda emurchecidaDe teu passado de felicidadeFoste juntar os goivos da SaudadeÀs flores da Esperança enlanguescida; Se nada te aniquila o desalentoQue te invade, e o pesar negro e • Read More »


Idealismo

Falas de amor, e eu ouço tudo e calo!O amor da Humanidade é uma mentira.É. E é por isto que na minha liraDe amores fúteis poucas vezes falo. O amor! Quando virei por fim a amá-lo?!Quando, se o amor que a Humanidade inspiraÉ o amor do sibarita e da hetaíra,De Messalina e de Sardanapalo?! Pois • Read More »


Eterna mágoa

O homem por sobre quem caiu a pragaDa tristeza do Mundo, o homem que é tristePara todos os séculos existeE nunca mais o seu pesar se apaga! Não crê em nada, pois, nada há que tragaConsolo à Mágoa, a que só ele assiste.Quer resistir, e quanto mais resisteMais se lhe aumenta e se lhe afunda • Read More »


Debaixo do tamarindo

No tempo de meu Pai, sob estes galhos,Como uma vela fúnebre de cera,Chorei biliões de vezes com a canseiraDe inexorabilíssimos trabalhos! Hoje, esta árvore, de amplos agasalhos,Guarda, como uma caixa derradeira,O passado da Flora BrasileiraE a paleontologia dos Carvalhos! Quando pararem todos os relógiosDe minha vida, e a voz dos necrológiosGritar nos noticiários que eu • Read More »


Contrastes

A antítese do novo e do obsoleto,O Amor e a Paz, o ódio e a Carnificina,O que o homem ama e o que o homem abomina,Tudo convém para o homem ser completo! O ângulo obtuso, pois, e o ângulo reto,Uma feição humana e outra divinaSão como a eximenina e a endimeninaQue servem ambas para o • Read More »


Caixão fantástico

Célere ia o caixão, e, nele, inclusas,Cinzas, caixas cranianas, cartilagensOriundas, como os sonhos dos selvagens,De aberratórias abstrações abstrusas! Nesse caixão iam talvez as Musas ,Talvez meu Pai! Hoffmânnicas visagensEnchiam meu encéfalo de imagensAs mais contraditórias e confusas! A energia monística do Mundo,À meia-noite, penetrava fundoNo meu fenomenal cérebro cheio … Era tarde ! Fazia muito • Read More »


Budismo moderno

Tome, Dr., esta tesoura, e… corteMinha singularíssima pessoa.Que importa a mim que a bicharia roaTodo o meu coração, depois da morte?! Ah! Um urubu pousou na minha sorte!Também, das diatomáceas da lagoaA criptógama cápsula se esbroaAo contacto de bronca dextra forte! Dissolva-se, portanto, minha vidaIgualmente a uma célula caídaNa aberração de um óvulo infecundo; Mas • Read More »


As cismas do destino

Recife. Ponte Buarque de Macedo.Eu, indo em direção à casa do Agra,Assombrado com a minha sombra magra,Pensava no Destino, e tinha medo! Na austera abóbada alta o fósforo alvoDas estrelas luzia… O calçamentoSáxeo, de asfalto rijo, atro e vidrento,Copiava a polidez de um crânio calvo. Lembro-me bem. A ponte era comprida,E a minha sombra enorme • Read More »


Apóstrofe à carne

Quando eu pego nas carnes do meu rosto.Pressinto o fim da orgânica batalha:– Olhos que o húmus necrófagoo estraçalha,Diafragmas, decompondo-se, ao sol posto… E o Homem – negro e heteróclito composto,Onde a alva flama psíquica trabalha,Desagrega-se e deixa na mortalhaO tacto, a vista, o ouvido, o olfato e o gosto! Carne, feixe de mônadas bastardas,Conquanto • Read More »


Apocalipse

Minha divinatória Arte ultrapassaos séculos efêmeros e notaDiminuição dinâmica, derrotaNa atual força, integérrima, da Massa. É a subversão universal que ameaçaA Natureza, e, em noite aziaga e ignota,Destrói a ebulição que a água alvorotaE põe todos os astros na desgraça! São despedaçamentos, derrubadas,Federações sidéricas quebradas…E eu só, o último a ser, pelo orbe adeante, Espião • Read More »


Ao luar

Quando, à noite, o Infinito se levantaA luz do luar, pelos caminhos quedosMinha táctil intensidade é tantaQue eu sinto a alma do Cosmos nos meus dedos! Quebro a custódia dos sentidos tredosE a minha mão, dona, por fim, de quantaGrandeza o Orbe estrangula em seus segredos,Todas as coisas íntimas suplanta! Penetro, agarro, ausculto, apreendo, invado,Nos • Read More »


Anseio

Que sou eu, neste ergástulo das vidasDanadamente, a soluçar de dor?!– Trinta triliões de células vencidas,Nutrindo uma efeméride inferior. Branda, entanto, a afagar tantas feridas,A áurea mão taumitúrgica do AmorTraça, nas minhas formas carcomidas,A estrutura de um mundo superior! Alta noite, esse mundo incoerenteEssa elementaríssima sementeDo que hei de ser, tenta transpor o Ideal… Grita • Read More »


Alucinação a beira mar

Um medo de morrer meus pés esfriava.Noite alta. Ante o telúrico recorte,Na diuturna discórdia, a equórea coorteAtordoadoramente ribombava! Eu, ególatra céptico, cismavaEm meu destino!… O vento estava forteE aquela matemática da MorteCom os seus números negros me assombrava! Mas a alga usufructuária dos oceanosE os malacopterígios subraquianosQue um castigo de espécie emudeceu, No eterno horror • Read More »


A noite

A nebulosidade ameaçadoraTolda o éter, mancha a gleba, agride os riosE urde amplas teias de carvões sombriosNo ar que alacre e radiante, há instante, fora. A água transubstancia-se. A onda estouraNa negridão do oceano e entre os naviosTroa bárbara zoada de ais bravios,Extraordinariamente atordoadora. À custódia do anímico registroA planetária escuridão se anexa…Somente, iguais a • Read More »


A louca

A Dias Paredes Quando ela passa: – a veste desgrenhada,O cabelo revolto em desalinho,No seu olhar feroz eu adivinhoO mistério da dor que a traz penada. Moça, tão moça e já desventurada;Da desdita ferida pelo espinho,Vai morta em vida assim pelo caminho,No sudário de mágoa sepultada. Eu sei a sua história. – Em seu passadoHouve • Read More »


A idéia

De onde ela vem?! De que matéria brutaVem essa luz que, sobre as nebulosas,Cai de incógnitas criptas misteriosasComo as estalactites duma gruta?! Vem da psicogenética e alta lutaDo feixe de moléculas nervosas,Que, em desintegrações maravilhosas,Delibera, e, depois, quer e executa! Vem do encéfalo absconso que a constringe,Chega em seguida às cordas do laringe,Tísica, tênue, mínima, • Read More »


A fome e o amor a um monstro fome

E, na ânsia voraz que, ávida, aumenta,Receando outras mandíbulas a esbangem,Os dentes antropófagos que rangem,Antes da refeição sanguinolenta! Amor! E a satiríasis sedenta,Rugindo, enquanto as almas se confrangem,Todas as danações sexuais que abrangemA apolínica besta famulenta! Ambos assim, tragando a ambiência vasta,No desembestamento que os arrasta,Superexcitadíssimos, os dois Representam, no ardor dos seus assomosA alegoria • Read More »


A caridade

No universo a caridadeEm contraste ao vicio infandoÉ como um astro brilhandoSobre a dor da humanidade! Nos mais sombrios horroresPor entre a mágoa nefastaA caridade se arrastaToda coberta de flores! Semeadora de carinhosEla abre todas as portasE no horror das horas mortasVem beijar os pobrezinhos. Torna as tormentas mais calmasOuve o soluço do mundoE dentro • Read More »


A árvore da serra

As árvores, meu filho, não tem alma!E esta árvore me serve de empecilho…É preciso cortá-la, pois, meu filho,Para que eu tenha uma velhice mais calma! – Meu pai, por que sua ira não se acalma?!Não vê que em tudo existe o mesmo brilho?!Deus pôs almas nos cedros… no junquilho…Esta árvore, meu pai, possui minh’alma!… – • Read More »


As Cismas do Destino

Augusto dos Anjos Recife. Ponte Buarque de Macedo. Eu, indo em direção à casa do Agra, Assombrado com a minha sombra magra, Pensava no Destino, e tinha medo! Na austera abóbada alta o fósforo alvo Das estrelas luzia… O calçamento Sáxeo, de asfalto rijo, atro e vidrento, Copiava a polidez de um crânio calvo. Lembro-me • Read More »