Carolina Maria de Jesus

Quarto de despejo

Quando infiltrei na literaturaSonhava so com a venturaMinhalma estava chêia de hiantoEu nao previa o pranto. Ao publicar o Quarto de DespejoConcretisava assim o meu desejo.Que vida. Que alegria.E agora… Casa de alvenaria.Outro livro que vae circularAs tristêsas vão duplicar.Os que pedem para eu auxiliarA concretisar os teus desejosPenso: eu devia publicar…– o ‘Quarto de • Read More »


Sonhei

Sonhei que estava mortaVi um corpo no caixãoEm vez de flores eram IivrosQue estavam nas minhas mãosSonhei que estava estendidaNo cimo de uma mesaVi o meu corpo sem vidaEntre quatro velas acesas Ao lado o padre rezavaComoveu-me a sua oraçãoAo bom Deus ele imploravaPara dar-me a salvaçãoSuplicava ao Pai EternoPara amenizar o meu sofrimentoNão me • Read More »


Muitas fugiam ao me ver…

Muitas fugiam ao me verPensando que eu não percebiaOutras pediam pra lerOs versos que eu escrevia Era papel que eu catavaPara custear o meu viverE no lixo eu encontrava livros para lerQuantas coisas eu quiz fazerFui tolhida pelo preconceitoSe eu extinguir quero renascerNum país que predomina o preto Adeus! Adeus, eu vou morrer!E deixo esses • Read More »


Humanidade

Depôis de conhecer a humanidadesuas perversidadessuas ambiçõesEu fui envelhecendoE perdendoas ilusõeso que predomina é amaldadeporque a bondade:Ninguem praticaHumanidade ambiciosaE gananciosaQue quer ficar rica!Quando eu morrer…Não quero renasceré horrivel, suportar a humanidadeQue tem aparência nobreQue encobreAs pesimas qualidades Notei que o ente humanoÉ perverso, é tiranoEgoista interesseirosMas trata com cortêziaMas tudo é ipocresiaSão rudes, e trapaçêiros– • Read More »


Dá-me a rosa

No campo em que eu repousarSolitária e tenebrosaEu vos peço para adornarO meu jazigo com as rosas As flores são formosasAos olhos de um poetaDentre todas são as rosasA minha flor predileta Se a afeiçoares aos versos inocentesQue deixo escritos aquiE quiseres ofertar-me um presenteDá-me as rosas que pedi. Agradeço-lhe com fervorDesde já o meu • Read More »


A rosa

Eu sou a flor mais formosaDisse a rosaVaidosa!Sou a musa do poeta. Por todos su contempladaE adorada. A rainha predileta.Minhas pétalas aveludadasSão perfumadasE acariciadas. Que aroma rescendente:Para que me serve esta essência,Se a existênciaNão me é concernente… Quando surgem as rajadasSou desfolhadaEspalhadaMinha vida é um segundo.Transitivo é meu viverDe ser…A flor rainha do mundo.– Carolina • Read More »