Casimiro de Abreu

Segredos

Eu tenho uns amores – quem é que os não tinhaNos tempos antigos? – Amar não faz mal;As almas que sentem paixão como a minhaQue digam, que falem em regra geral.– A flor dos meus sonhos é moça e bonitaQual flor entreaberta do dia ao raiar,Mas onde ela mora, que casa ela habita,Não quero, não • Read More »


Moreninha

Moreninha, Moreninha,Tu és do campo a rainha,Tu és senhora de mim;Tu matas todos d’amores,Faceira, vendendo as floresQue colhes no teu jardim. Quando tu passas n’aldeiaDiz o povo à boca cheia:– “Mulher mais linda não há“Ai! vejam como é bonita“Co’as tranças presas na fita,“Co’as flores no samburá! – Tu és meiga, és inocenteComo a rola que • Read More »


Sonhando

Um dia, oh linda, embaladaAo canto do gondoleiro,Adormeceste inocenteNo teu delírio primeiro,– Por leito o berço das ondas,Meu colo por travesseiro! Eu, pensativo, cismavaNalgum remoto desgosto,Avivado na tristezaQue a tarde tem, ao sol-posto,E ora mirava as nuvens,Ora fitava teu rosto. Sonhavas então, querida,E presa de vago anseioDebaixo das roupas brancasSenti bater o teu seio,E meu • Read More »


Saudades

Nas horas mortas da noiteComo é doce o meditarQuando as estrelas cintilamNas ondas quietas do mar;Quando a lua majestosaSurgindo linda e formosa,Como donzela vaidosaNas águas se vai mirar! Nessas horas de silêncio,De tristezas e de amor,Eu gosto de ouvir ao longe,Cheio de mágoa e de dor,O sino do campanárioQue fala tão solitárioCom esse som mortuárioQue • Read More »


Quando tu choras

Quando tu choras, meu amor, teu rostoBrilha formoso com mais doce encanto,E as leves sombras de infantil desgostoTornam mais belo o cristalino pranto. Oh! nessa idade da paixão lascivaComo o prazer, é o chorar preciso:Mas breve passa – qual a chuva estiva –E quase ao pranto se mistura o riso. É doce o pranto de • Read More »


Eu nasci além dos mares

Eu nasci além dos mares:Os meus lares,Meus amores ficam lá!— Onde canta nos retirosSeus suspiros,Suspiros o sabiá! Oh que céu, que terra aquela,Rica e belaComo o céu de claro anil!Que seiva, que luz, que galas,Não exalasNão exalas, meu Brasil! Oh! que saudades tamanhasDas montanhas,Daqueles campos natais!Daquele céu de safiraQue se mira,Que se mira nos cristais! • Read More »


Um história

A brisa dizia à rosa:– “Dá, formosa,Dá-me, linda, o teu amor;Deixa eu dormir no teu seioSem receio,Sem receio minha flor! Da tarde virei da selvaSobre a relvaOs meus suspiros te dar;E de noite na correnteMansamenteMansamente te embalar!” – E a rosa dizia à brisa:– “Não precisaMeu seio dos beijos teus;Não te adoro… és inconstante…Outro amante,Outro • Read More »


Clara

Não sabes, Clara, que penaEu teria se – morenaTu fosses em vez de clara!Talvez… Quem sabe?… não digo…Mas refletindo comigoTalvez nem tanto te amara! A tua cor é mimosa, Brilha mais da face a rosa,Tem mais graça a boca breve.O teu sorriso é delírio…És alva da cor do lírio,És clara da cor da neve! A morena • Read More »


Deus

Eu me lembro! eu me lembro! – Era pequeno E brincava na praia; o mar bramia E, erguendo o dorso altivo, sacudia A branca escuma para o céu sereno. E eu disse a minha mãe nesse momento: “Que dura orquestra! Que furor insano! “Que pode haver maior do que o oceano, “Ou que seja mais forte do que o vento?!” – Minha mãe • Read More »


Risos

Ri, criança, a vida é curta, O sonho dura um instante. Depois… o cipreste esguio Mostra a cova ao viandante! A vida é triste – quem nega? – Nem vale a pena dize-lo . Deus a parte entre seus dedos Qual um fio de cabelo! Como o dia, a nossa vida Na aurora é – toda venturas, De tarde – doce tristeza.


A valsa

Tu, ontem,Na dançaQue cansa,VoavasCo’as facesEm rosasFormosasDe vivo,LascivoCarmim;Na valsaTão falsa,Corrias,Fugias,Ardente,Contente,Tranqüila,Serena,Sem penaDe mim! Quem deraQue sintasAs doresDe amoresQue loucoSenti!Quem deraQue sintas!…— Não negues,Não mintas…— Eu vi!… Valsavas:— Teus belosCabelos,Já soltos,Revoltos, Saltavam,Voavam,BrincavamNo coloQue é meu;E os olhosEscurosTão puros,Os olhosPerjurosVolvias,Tremias,Sorrias,P’ra outroNão eu! Quem deraQue sintasAs doresDe amoresQue loucoSenti!Quem deraQue sintas!…— Não negues,Não mintas…— Eu vi!… Meu Deus!Eras belaDonzela,Valsando,Sorrindo,Fugindo,Qual silfoRisonhoQue em • Read More »


O que é simpatia (a uma menina)

Simpatia – é o sentimentoQue nasce num só momento,Sincero, no coração;São dois olhares acesosBem juntos, unidos, presosNuma mágica atração. Simpatia – são dois galhosBanhados de bons orvalhosNas mangueiras do jardim;Bem longe às vezes nascidos,Mas que se juntam crescidosE que se abraçam por fim. São duas almas bem gêmeasQue riem no mesmo riso,Que choram nos mesmos • Read More »


Violeta

Sempre teu lábio severoMe chama de borboleta!– Se eu deixo as rosas do pradoÉ só por ti – violeta! Tu és formosa e modesta,As outras são tão vaidosas!Embora vivas na sombraAmo-te mais do que às rosas. A borboleta travessaVive de sol e de flores.– Eu quero o sol de teus olhos,O néctar dos teus amores! • Read More »


Meus oito anos

Oh ! que saudades que eu tenhoDa aurora da minha vida,Da minha infância queridaQue os anos não trazem mais !Que amor, que sonhos, que flores,Naquelas tardes fagueirasÀ sombra das bananeiras,Debaixo dos laranjais ! Como são belos os diasDo despontar da existência !– Respira a alma inocênciaComo perfumes a flor;O mar é – lago sereno,O céu • Read More »