Estradeira

Hoje a poesia veio triste

Despedidas são sempre o vazio

O que não existirá mais

Essa dor que arranha a garganta

Embarga a voz

E essa liberdade das águas dos olhos

Caindo descontroladamente…

Hoje a poesia veio triste

Como a vitória regia solitária no rio

Como uma estradeira que não olha pra trás

Fecha a mala, tranca a porta

E segue em direção ao desconhecido

Engole a poeira, pisa firme nas pedras…

Não deixa saudades, não deixa Amor

Hoje a poesia veio triste

Como final de um espetáculo

Daqueles que só alguns vestígios

Permaneceram no público.

Daquelas conexões sem nenhum sentido

Histórias cruzadas por mero acaso

Não era destino, era a vida por um triz!

Um comentário sobre “Estradeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>