Desde sempre em mim

Contente. Contente do instante

Da ressurreição, das insônias heroicas

Contente da assombrada canção

Que no meu peito agora se entrelaça.

Sabes? O fogo iluminou a casa.

E sobre a claridade do capim

Um expandir-se de asa, um trinado

Uma garganta aguda, vitoriosa.

Desde sempre em mim. Desde

Sempre estiveste. Nas arcadas do Tempo

Nas ermas biografias, neste adro solar

No meu mudo momento

Desde sempre, amor, redescoberto em mim.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *