Cinco movimentos – I

Que amor é esse que, desperto, dorme
e quando acorda faz-se ambíguo sonho,
transfigurando o belo no medonho
e em noite espessa a vida multiforme?
Então amor é só o que suponho,
o que não digo por ser tão informe
que fôrma alguma lhe é jamais conforme
como este molde em que teimoso o ponho?
Será amor o que se esquiva à fala
ou à linguagem que o pretende claro?
E o que seria esse tremor mais raro
que ao aflorar parece que se cala?
Amor oblíquo que olha de soslaio,
mas que ilumina e queima como raio…
– Ivan Junqueira, em “Cinco movimentos”. Rio de Janeiro: Gastão de Holanda Editor, 1982.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *