O rio

Tantos rios como eu abriram leito de pedras
e pranto. Um dia perguntávamos:
– Dizei-me, curva, onde vou? casa trono rocha sois
aqueles que ficam, minha lei é não parar. Sigo
fio de água, água humilde sou, para onde? Ó curva,
falai. Água de revolta, espuma e ódio nos poros
na garganta no útero, pranto de mulher, água
de fel antigo, quem é meu semelhante? Dizei, onde vou?
Leito de pedras e pranto. Súbito, próximo,
Atravessou, olhai, ele!
ali na frente, vivo, tão vivo,
ele sim! o rio das águas inúmeras. Correi
doçuras e dores, punhos, Partido, esperança nossa…
– Jacinta Passos, em “Poemas políticos”. Rio de Janeiro: Livraria-Editora Casa do Estudante do Brasil, 1951.


Comments are closed here.