Entre abismos

Mistérios só, de um lado, e sombras…
Em seguida,
A estrada tortuosa e aspérrima da vida,
Onde impreca a Revolta, onde brada o Terror,
Onde geme a Saudade e se lastima a Dor,
E, co’o gesto convulso e os traços descompostos,
Batidos pelo vento, à tempestade expostos,
Atropelam-se, em doida e febril confusão,
O Desespero, a Raiva, a Cólera, a Paixão,
Cujo concerto de ais e de pragas abala
O espaço, emudecendo o temporal que estala…
Do outro lado, somente o tenebroso mar
Da morte, em que por fim tudo irá se atufar…


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *