O pobre poema

Eu escrevi um poema horrível!
É claro que ele queria dizer alguma coisa…
Mas o quê?
Estaria engasgado?
Nas suas meias-palavras havia no entanto uma ternura mansa como a que se vê nos olhos de uma criança doente, uma precoce, incompreensível gravidade
de quem, sem ler os jornais,
soubesse dos seqüestros
dos que morrem sem culpa
dos que se desviam porque todos os caminhos estão tomados…
Poema, menininho condenado,

bem se via que ele não era deste mundo nem para este mundo…
Tomado, então, de um ódio insensato,
esse ódio que enlouquece os homens ante a insuportável
verdade, dilacerei-o em mil pedaços.

E respirei…
Também! quem mandou ter ele nascido no mundo errado?


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *