Colar

Colecionava amizades
Pendura corrente de sorrisos estáticos

No pescoço
Ostentava tantos e tantos
Sorrisos-dentaduras
Polia-os à noite com gotas de lágrimas
Retidas
Um dia o colar mordeu-lhe a jugular 
Jorrou-lhe rios de ausências


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *