Mahin manhã

Ouve-se nos cantos a conspiração
vozes baixas sussurram frases precisas
escorre nos becos a lâmina das adagas
Multidão tropeça nas pedras
                  Revolta
há revoada de pássaros
      sussurro, sussurro:
 “é amanhã, é amanhã.
     Mahin falou, é amanha”
A cidade toda se prepara
        Malês
            Bantus
                geges
                   nagôs
vestes coloridas resguardam esperanças
             aguardam a luta
Arma-se a grande derrubada branca
a luta é tramada na língua dos Orixás
 é aminhã, aminhã”
sussuram
         Malês
            Bantus
                geges
                   nagôs
      “é aminhã, Luiza Mahin falô”  


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *