Orides Fontela

Viagem

Viajarmas nãopara viajarmas semonde sem rota sem ciclo sem círculosem finalidade possível. Viajare nem sequer sonhar-seesta viagem.– Orides Fontela, em “Rosácea”. São Paulo: Editora Duas Cidades, 1986.


Ver

o avessodo sol oventredo caos osossos.Ver . Ver-se.Não dizer nada.– Orides Fontela, do livro “Teia”, em “Poesia Reunida [1969-1996]”. São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006, p. 307.


Teia

A teia, não Mágica Mas arma, armadilha    a teia, não morta mas sensitiva, vivente   a teia, não arte mas trabalho, tensa a teia, não  arte mas trabalho, tensa   a teia, não virgem mas intensamente                  prenhe:   no  centro a aranha espera. – Orides Fontela, em “Rosácea”. São Paulo: Editora Duas Cidades, 1986.


Reflexo

O lago em círculocírculo águacéu apreendidoeternidade no tempo– Orides Fontela, do livro “Helianto”, em “Poesia Reunida [1969-1996]”. São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006, p. 55.


Pouso

Ó pássaro, em minha mãoencontram-setua liberdade intactaminha aguda consciência. Ó pássaro, em minha mãoteu cantode vitalidade puraencontra a minha humanidade. Ó pássaro, em minha mãopousadoserá possível cantarmosem uníssono se és o raro pousodo sentimento vivoe eu, pranto vertido na palavra?– Orides Fontela, em “Poesia Reunida [1969-1996]”. São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: 7 Letras, • Read More »


Poema

Saber de cor o silênciodiamante e-ou espelhoo silêncio alémdo branco.Saber seu pesoSeu signo– habitar sua estrelaImpiedosa. Saber seu centro: vazioesplendor alémda vidae vida alémda memória.    Saber de cor o silêncio – e profaná-lo, dissolvê-lo        em palavras.– Orides Fontela, do livro “Alba”, em “Poesia Reunida [1969-1996]”. São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: • Read More »


Minério

o metal e seu pálido horizonteo metal tempo opondo-se ao olhar vivo:o metal adensandoe horizonte efronteira invioladaO metal presençaÍntegraopondo às águas seu frioe incorruptível núcleo– Orides Fontela, do livro “Helianto”, em “Poesia Reunida [1969-1996]”. São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006, p. 82.


Mãos

Com as mãos nuas lavrar o campo:  as mãos se ferindo nos seres, arestas da subjacente unidade  as mãos desenterrando luzesfragmentos do anterior espelho  com as mãos nuas lavrar o campo:  desnudar a estrela essencial sem ter piedade do sangue. – Orides Fontela, em “Poesia Reunida [1969-1996]”. São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006, p. 20.


Helianto

Cânonda flor completametro / valência / ritoda florverbo Círculoexemplar de heliantoflor emito ciclodo complexo espelhoflor eritmo cânon da luz perfeita– Orides Fontela, do livro “Helianto”, em “Poesia Reunida [1969-1996]”. São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006.


Fala

Tudoserá difícil de dizer:a palavra realnunca é suave. Tudo será duro:luz impiedosaexcessiva vivênciaconsciência demais do ser Tudo seráCapaz de ferir. SeráAgressivamente real.Tão real que nos despedaça.Não há piedade nos signosE nem no amor: o serÉ excessivamente lúcidoE a palavra é densa e nos fere(toda a palavra é crueldade)– Orides Fontela, do livro “Transposição”, em “Poesia • Read More »


Eros

Cego? Não: livre. Tão livre que não te importa a direção da seta.  Alado? Irradiante. Feridas multiplicadas nascidas de um só                               abismo. Disseminas pólens e aromas. És talvez a                       • Read More »


Clima

Neste lugar marcado: campo onde uma árvore única se alteia e o alongado gesto absorvendo todo o silêncio – ascende e                     imobiliza-se (som antes da voz pré-vivo ou além da voz e vida) neste lugar marcado: campo                 • Read More »


As estações

Anuncia-se a luz  e o puro Solo Sol informeverte-se                         desencantando cores                        frutos vivos                        — força em ciclo descobrindo-se.        • Read More »


Alvo

Miro e disparo:o alvoo alo acentro exato dos círculosconcêntricosbranco do aa brancopontobrancoatraindo todo o impacto (Fixar o vooda luz naformafirmar o cantoem precisosilêncio – confirmá-lo no centrodo silêncio.)Miro e disparo:o ao alo alvo.– Orides Fontela, do livro “Helianto”, em “Poesia Reunida [1969-1996]”. São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006, p. 76.


A paisagem em círculo

Os plátanos as pombas estas fontesas frondes, longe; e, de novo, os                        plátanos. As pombas estes plátanos as frondesas fontes, longe; e , de novo, as                        pombas.As fontes estas frondes estas pombasplátanos, longe; • Read More »


Coruja

Vôo onde ninguém mais – vivo em luz mínima  ouço o mínimo arfar – farejo o  sangue  e capturo  a presa  em pleno escuro.  – Orides Fontela, em “Rosácea”. São Paulo: Editora Duas Cidades, 1986, p. 203.