Mãos

Com as mãos nuas 
lavrar o campo: 

as mãos se ferindo 
nos seres, arestas 
da subjacente unidade 

as mãos desenterrando 
luzesfragmentos 
do anterior espelho 

com as mãos nuas 
lavrar o campo: 

desnudar a estrela essencial 
sem ter piedade do sangue. 
– Orides Fontela, em “Poesia Reunida [1969-1996]”. São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006, p. 20.


Comments are closed here.