Minério

o metal e seu pálido horizonte
o metal tempo opondo-se ao olhar vivo:
o metal adensando
e horizonte e
fronteira inviolada
O metal presença
Íntegra
opondo às águas seu frio
e incorruptível núcleo
– Orides Fontela, do livro “Helianto”, em “Poesia Reunida [1969-1996]”. São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006, p. 82.


Comments are closed here.