Vinícius de Moraes

Soneto de felicidade

De tudo, ao meu amor serei atento antesE com tal zelo, e sempre, e tantoQue mesmo em face do maior encantoDele se encante mais meu pensamento Quero vivê-lo em cada vão momentoE em seu louvor hei de espalhar meu cantoE rir meu riso e derramar meu prantoAo seu pesar ou seu contentamento E assim quando • Read More »


Tomara

TomaraQue você volte depressaQue você não se despeçaNunca mais do meu carinhoE chore, se arrependaE pense muitoQue é melhor se sofrer juntoQue viver feliz sozinho TomaraQue a tristeza te convençaQue a saudade não compensaE que a ausência não dá paz E o verdadeiro amor de quem se amaTece a mesma antiga tramaQue não se desfazE • Read More »


Ternura

Eu te peço perdão por te amar de repenteEmbora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidosDas horas que passei à sombra dos teus gestosBebendo em tua boca o perfume dos sorrisosDas noites que vivi acalentadoPela graça indizível dos teus passos eternamente fugindoTrago a doçura dos que aceitam melancolicamente.E posso te dizer que • Read More »


Soneto do amor total

Amo-te tanto, meu amor… não canteO humano coração com mais verdade…Amo-te como amigo e como amanteNuma sempre diversa realidade Amo-te afim, de um calmo amor prestante,E te amo além, presente na saudade.Amo-te, enfim, com grande liberdadeDentro da eternidade e a cada instante. Amo-te como um bicho, simplesmente,De um amor sem mistério e sem virtudeCom um • Read More »


Soneto do amigo

Enfim, depois de tanto erro passadoTantas retaliações, tanto perigoEis que ressurge noutro o velho amigoNunca perdido, sempre reencontrado. É bom sentá-lo novamente ao ladoCom olhos que contêm o olhar antigoSempre comigo um pouco atribuladoE como sempre singular comigo. Um bicho igual a mim, simples e humanoSabendo se mover e comoverE a disfarçar com o meu • Read More »


Soneto de separação

De repente do riso fez-se o prantoSilencioso e branco como a brumaE das bocas unidas fez-se a espumaE das mãos espalmadas fez-se o espanto. De repente da calma fez-se o ventoQue dos olhos desfez a última chamaE da paixão fez-se o pressentimentoE do momento imóvel fez-se o drama. De repente, não mais que de repenteFez-se • Read More »


Soneto de contrição

Eu te amo, Maria, eu te amo tantoQue o meu peito me dói como em doençaE quanto mais me seja a dor intensaMais cresce na minha alma teu encanto. Como a criança que vagueia o cantoAnte o mistério da amplidão suspensaMeu coração é um vago de acalantoBerçando versos de saudade imensa. Não é maior o • Read More »


Soneto da fidelidade

De tudo, ao meu amor serei atentoAntes, e com tal zelo, e sempre, e tantoQue mesmo em face do maior encantoDele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momentoE em louvor hei de espalhar meu cantoE rir meu riso e derramar meu prantoAo seu pesar ou seu contentamento. E assim, quando mais • Read More »


Poema dos olhos da amada

Ó minha amadaQue olhos os teusSão cais noturnosCheios de adeusSão docas mansasTrilhando luzesQue brilham longeLonge nos breus… Ó minha amadaQue olhos os teusQuanto mistérioNos olhos teusQuantos saveirosQuantos naviosQuantos naufrágiosNos olhos teus… Ó minha amadaQue olhos os teusSe Deus houveraFizera-os DeusPois não os fizeraQuem não souberaQue há muitas erasNos olhos teus. Ah, minha amadaDe olhos ateusCria • Read More »


Poema de Natal

Para isso fomos feitos:Para lembrar e ser lembradosPara chorar e fazer chorarPara enterrar os nossos mortos —Por isso temos braços longos para os adeusesMãos para colher o que foi dadoDedos para cavar a terra.Assim será nossa vida:Uma tarde sempre a esquecerUma estrela a se apagar na trevaUm caminho entre dois túmulos —Por isso precisamos velarFalar • Read More »


Pela luz dos olhos teus

Quando a luz dos olhos meusE a luz dos olhos teusResolvem se encontrarAi que bom que isso é meu DeusQue frio que me dá o encontro desse olharMas se a luz dos olhos teusResiste aos olhos meus só p’ra me provocarMeu amor, juro por Deus me sinto incendiarMeu amor, juro por DeusQue a luz dos • Read More »


O relógio

Passa, tempo, tic-tacTic-tac, passa, horaChega logo, tic-tacTic-tac, e vai-te emboraPassa, tempoBem depressaNão atrasaNão demoraQue já estouMuito cansadoJá perdiToda a alegriaDe fazerMeu tic-tacDia e noiteNoite e diaTic-tacTic-tacTic-tac…


O pinguim

Bom-dia, PinguimOnde vai assimCom ar apressado?Eu não sou malvadoNão fique assustadoCom medo de mim.Eu só gostariaDe dar um tapinhaNo seu chapéu de jacaOu bem de levinhoPuxar o rabinhoDa sua casaca.


O peru

Glu! Glu! Glu! Abram alas pro Peru!O Peru foi a passeioPensando que era pavãoTico-tico riu-se tantoQue morreu de congestão.O Peru dança de rodaNuma roda de carvãoQuando acaba fica tontoDe quase cair no chão.O Peru se viu um diaNas águas do ribeirãoFoi-se olhando foi dizendoQue beleza de pavão!Glu! Glu! Glu!Abram alas pro Peru!


O pato

Lá vem o patoPata aqui, pata acoláLá vem o patoPara ver o que é que há.O pato patetaPintou o canecoSurrou a galinhaBateu no marrecoPulou do poleiroNo pé do cavaloLevou um coiceCriou um galoComeu um pedaçoDe jenipapoFicou engasgadoCom dor no papoCaiu no poçoQuebrou a tigelaTantas fez o moçoQue foi pra panela.


O leão

Leão! Leão! Leão!Rugindo como o trovãoDeu um pulo, e era uma vezUm cabritinho montês. Leão! Leão! Leão!És o rei da criação Tua goela é uma fornalhaTeu salto, uma labaredaTua garra, uma navalhaCortando a presa na queda. Leão longe, leão pertoNas areias do deserto.Leão alto, sobranceiroJunto do despenhadeiro.Leão na caça diurnaSaindo a correr da furna.Leão! Leão! • Read More »


O gato

Com um lindo saltoLesto e seguroO gato passaDo chão ao muroLogo mudandoDe opiniãoPassa de novoDo muro ao chãoE pega correBem de mansinhoAtrás de um pobreDe um passarinhoSúbito, paraComo assombradoDepois disparaPula de ladoE quando tudoSe lhe fatigaToma o seu banhoPassando a línguaPela barriga.


O elefantinho

Onde vais, elefantinhoCorrendo pelo caminhoAssim tão desconsolado?Andas perdido, bichinhoEspetaste o pé no espinhoQue sentes, pobre coitado?— Estou com um medo danadoEncontrei um passarinho


O ar (o vento)

Estou vivo mas não tenho corpoPor isso é que não tenho formaPeso eu também não tenhoNão tenho cor Quando sou fracoMe chamo brisa E se assobioIsso é comum Quando sou forteMe chamo vento Quando sou cheiroMe chamo pum!


Eu sei que vou te amar

Eu sei que vou te amarPor toda a minha vida eu vou te amarEm cada despedida eu vou te amarDesesperadamenteEu sei que vou te amar E cada verso meu será pra te dizerQue eu sei que vou te amarPor toda a minha vida Eu sei que vou chorarA cada ausência tua eu vou chorar,Mas cada • Read More »


As borboletas

BrancasAzuisAmarelasE pretasBrincamNa luzAs belasBorboletas. Borboletas brancasSão alegres e francas. Borboletas azuisGostam muito de luz. As amarelinhasSão tão bonitinhas! E as pretas, então…Oh, que escuridão!


As abelhas

A abelha-mestraE as abelhinhasEstão todas prontinhasPara ir para a festaNum zune que zuneLá vão pro jardimBrincar com a cravinaValsar com o jasmimDa rosa pro cravoDo cravo pra rosaDa rosa pro favoE de volta pra rosa Venham ver como dão melAs abelhas do céuVenham ver como dão melAs abelhas do céu A abelha-rainhaEstá sempre cansadaEngorda a • Read More »


A uma mulher

Quando a madrugada entrou eu estendi o meu peito nu sobre o teu peitoEstavas trêmula e teu rosto pálido e tuas mãos friasE a angústia do regresso morava já nos teus olhos.Tive piedade do teu destino que era morrer no meu destinoQuis afastar por um segundo de ti o fardo da carneQuis beijar-te num vago • Read More »


A rosa de Hiroshima

Pensem nas criançasMudas telepáticasPensem nas meninasCegas inexatasPensem nas mulheresRotas alteradasPensem nas feridasComo rosas cálidasMas oh não se esqueçamDa rosa da rosaDa rosa de HiroximaA rosa hereditáriaA rosa radioativaEstúpida e inválida.A rosa com cirroseA antirrosa atômicaSem cor sem perfumeSem rosa sem nada.


A foca

Quer ver a focaFicar feliz?É por uma bolaNo seu nariz. Quer ver a focaBater palminha?É dar a elaUma sardinha. Quer ver a focaFazer uma briga?É espetar elaBem na barriga!


A felicidade

Tristeza não tem fimFelicidade sim… A felicidade é como a plumaQue o vento vai levando pelo arVoa tão leveMas tem a vida brevePrecisa que haja vento sem parar. A felicidade do pobre pareceA grande ilusão do carnavalA gente trabalha o ano inteiroPor um momento de sonhoPra fazer a fantasiaDe rei, ou de pirata, ou da • Read More »


A casa

Era uma casaMuito engraçadaNão tinha tetoNão tinha nadaNinguém podiaEntrar nela nãoPorque na casaNão tinha chãoNinguém podiaDormir na redePorque a casaNão tinha paredeNinguém podiaFazer pipiPorque penicoNão tinha aliMas era feitaCom muito esmeroNa Rua dos BobosNúmero Zero.


Soneto da Fidelidade

Vinícius de Moraes De tudo, ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao • Read More »