Ternura

Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos
Das horas que passei à sombra dos teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentado
Pela graça indizível dos teus passos eternamente fugindo
Trago a doçura dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer que o grande afeto que te deixo
Não traz o exaspero das lágrimas nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras dos véus da alma…
É um sossego, uma unção, um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta, muito quieta
E deixes que as mãos cálidas da noite encontrem sem fatalidade o olhar extático da aurora.

Um comentário sobre “Ternura

  • Valdir Carvalho Silva disse:

    Ternura é Sentimento Positivo Valor _ Amor/Amar_ E nos últimos três versos do poema, o poeta Vinícius de Moraes_ não tão somente sente Ternura, como também, traz um dos conceitos de Ternura; este Sentimento ‘é uma Aurora’ ah/ah?_ diferente Aurora, que se assemelha com a aurora amanhecer planeta Terra_ porém, sinto que, o autor traduz em se expressar, seja Eterna Aurora_ Amor/Amar_ !* Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>